terça-feira, 15 de janeiro de 2013



O POETA MÁRIO FAUSTINO DESCE AOS INFERNOS E SOBE AO EMPYREAM



III. A QUEDA

Sempre ele girava perto demais do sol.
Enquanto Ícaro, ainda derretendo, cai
e cai, 
a queda de Mário tinha apenas
começado.
Lentamente o vácuo esvazia-se
e enche-se.
Os dijecta membra do pássaro
despencam
silenciados no vidro que totaliza o
grisalho do cabelo.
Separadamente a queda, as coisas,
elas flutuam abaixo separadamente.
Em chaminés sem fumaça, a fuselagem,
uma valise que se esvazia
(que vulneráveis pedras-de-toque!); e
fumegante destroço
suja as bordas do coração.
O rastro do jato pendeu um átimo de
um instante no ar.

Sempre ele girava perto demais do sol.
Enquanto Ícaro, ainda derretendo, cai
e cai,
a que da de Mário tinha apenas
começado.
Lentamente o vácuo esvazia-se
e enche-se. 

Quantos, Mário, anos! - quantos você 
sondou o ar,
deixando smoking e pijamas listados
longe para trás?
Rápido demais, rápido demais você
colidiu com os trajes da gravidade.

Por todo céu as estrelas estão caindo.
Lace
o céu, ele está caindo! Mas Lúcifer
que se despedaça
para sempre no perigo do dia-a-dia,
predestina os céus a voltarem a sua
ruptura de proteção.
Fossem ondas como anos, você, num
milênio de safira.
teria se banhado até o dia
do juízo final; 
mas, a morte conhece um atalho
você aventurou-se
a voar na onda abstrata do ar
apenas
para ser mutilado
na metáfora-sem-poema.
E todavia, rápido demais, oh Mário,
rápido demais,
você vestiu suas mudanças
cedo demais.
Atravessando o redemoinho, você
muda seu curso.
Você ultrapassa os levianos
coletadores-de-safira.
Você passa, vertigem do lento levante
das idades;
você, seu corpo como um feto
curvado, você, 
descarnando a semente do transilient
vácuo, você
amante até o fim, circundando o
espaço com seus braços.
Sua queda embaça meus olhos. Oh,
elevando-se para a sua face, meus dedos
congelam no cabo do machado de 
gelo,
haverá algum pico que você não ouse
trair?
Está você escondido, evadido,
daqueles que o amam?
Mário? você está tentando nos dizer
alguma coisa?
Mário-Lúcifer, o que você está 
tentando dizer?

Sempre ele girava perto demais do
sol.
Enquanto Ícaro, ainda derretendo,
cai e cai,
a queda de Mário tinha apenas
começado.
Lentamente o vácuo esvazia-se
e enche-se.


ROBERT STOCK
Robert Mapplethorpe, White gauze

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013


O CANDIDATO


Primeiro, você é a pessoa que queremos?

Você usa

Olho de vidro, dentes falsos ou muletas,

Cinta ou gancho,

Seios ou sexo de borracha,

Pontos para mostrar que lhe falta qualquer coisa? Não, não? depois

Como podemos dar-lhe alguma coisa?

Páre de chorar.

Abra sua mão.

Vazia? Vazia. Aqui está uma mão

Pronta a enchê-la e disposta

A trazer um chá e aliviar enxaquecas

E fazer tudo o que você disser.

Quer casar com ele?

É garantido

Para lhe fechar os olhos no fim

E dissolver de tristeza.

Fazemos tudo de novo com o sal.

Estou vendo que você está completamente nu.

Que tal este terno 

Preto e engomado, e bem ajustado.

Vai casar com ele?

É impermeável, à prova de choque, está provado

Que é contra incêndio e bombas no telhado.

Acredite em mim, vão enterrá-lo com ele.

Agora sua cabeça, desculpe-me, está vazia.

Eu tenho o bilhete para isso.

Venha aqui, querida, fora do armário.

Bem, o que você acha disso?

Nua como folha em branco para iniciar

Mas em vinte e cinco anos ela será prata,

Ouro em cinquenta.

Boneca de carne e osso, completamente.

Ela sabe costurar e cozinhar,

Ela sabe falar, falar, falar.

Ela funciona, não tem defeito.

Você tem um buraco, é um cataplasma.

Você tem um olho, é uma imagem.

Meu rapaz, é seu último recurso.

Você vai casar com ela, casar com ela, casar com ela.

Sylvia Plath, a partir do quadro "Homenagem a Mack Sennett", de René Magritte - escancarando os armários do feminino.
tradução: ney ferraz paiva

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013


A Terceira Via

Jonathan me traiu com uma mulher
que não sofreu por ele
um terço do que eu sofri;
uma mulher turista espairecendo na Europa.
Jonathan é bastante tolo.
Estou sem saber se me mudo
para alguém mais ladino,
se espero Jonathan crescer.
Sem desgastar-me, sem gastar um tostão
o moço oferece-me pensamentos diários
com irresistível margem de perigos:
posso ficar tísica,
posso engordar,
posso entender de física,
posso jejuar
produzindo sua imagem na hora mais quente do dia.
Ismália me diz: 'Deus é um tijolo,
está aqui no nariz do meu cachorro.
Eu sou puro pecado'.
E imediatamente come docinho de aletria
com descansada certeza:
'Irei salvar-me porque Deus me ama'.
Não tenho o peito de Ismália
pra chegar perto de Deus.
Por isso fico granindo
e chego perto dos homens,
cheiro a camisa de Pedro,
o travo ingrato de Jonathan.
Todos viram que minha boca secou
quando disse muito prazer e desfaleci na cadeira.
O amor me envergonha.
Da geração da cachaça,
do é ou não é,
do ou casa ou vai pro convento,
não posso ser gay e dizer: depende,
vou ver, vou tratar do seu caso.
Comigo é na pândega
ou na santidade mais rigorosa.
Eu não servia para ter nascido,
para comer com boca, andar com pés
e Ter dentro de mim oito metros de tripas
desejando a filigrana de tua íris
cuja cor não digo para não estragar tudo
e novamente ficar coberta de ridículo.
Sei agora, a duras penas,
porque os santos levitam.
Sem o corpo a alma de um homem não goza.
Por isso Cristo sofreu no corpo a Sua paixão,
adoro Cristo na Cruz.
Meu desejo é atômico,
minha unha é como meu sexo.
Meu pé te deseja, meu nariz.
Meu espírito – que é alento de Deus em mim – te deseja
pra fazer não sei o quê com você.
Não é beijar, nem abraçar, muito menos casar
e ter um monte de filhos.
Quero você na minha frente extático
– Francisco e o Serafim, abrasados –,
e eu para todo o sempre
olhando, olhando, olhando... 

Adélia Prado
Calvato

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

ITINERÁRIO


Rumor de risos, vozes, tinir de louças, é dia de festa e 

comemoram um santo ou


um aniversário. Meus primos e primas, maiores, 


pulam no terraço. Há um ir e


vir de gente que passa ao lado do vulto sem se deter. 


O vulto chora. Desde


séculos chora e ninguém o ouve. É o único que chora 


seu pranto. Extraviou-se


num mundo que é, ao mesmo tempo, familiar e 


remoto, íntimo e indiferente. 


Não é um mundo hostil: é um mundo estranho, 


embora familiar e cotidiano, 


como as guirlandas da parede impassível, como as 


risadas da sala de jantar. 


Instante interminável: ouvir a si mesmo chorar em 


meio à surdez universal... 


Não lembro mais. Sem dúvida minha mãe me 


acalmou: a mulher é a porta de 


reconciliação com o mundo. Mas a sensação não se 


apagou nem se apagará. 


Não é uma ferida, é um oco. Quando penso em mim, 


toco nele; ao apalpar-me, 


o apalpo. Alheio sempre e sempre presente, nunca 


me deixa, presença sem 


corpo, mudo, invisível, perpétua testemunha de 


minha vida. Não fala comigo, 


mas eu, às vezes, ouço o que seu silêncio me diz: esta 


tarde começaste a ser tu 


mesmo; ao descobrir-me, descobriste tua ausência, 


teu oco: te descobriste. Já 


sabes, és carência, busca. 





Octavio Paz

Mel Bochner